Estrato de estado com redução alimentícia

Desenho para um texto de Abel Neves, na Cão Celeste #10.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

 

Andamos a mamar. O que é a esperança se tudo lhe dói por todo o lado,

sem remédio? Talvez se conseguir respirar profundamente, aceitar e

adormecer. Deve ser isso, mas há quem diga que a esperança é uma

porca ao vê-la por aí nas enfermarias dos hospitais fazendo o número

triste dos palhaços, bamboleando-se com um rabo grande e mole e

abrindo muito a boca, num riso alvar, a cara ressequida da pintura a

parecer uma abóbora fatela da festa das bruxas. Não se morre com

esperança. Ela acaba aí, mesmo se andou a insinuar-se no cronómetro

dos atletas e foi pensada como estimulante. Anos a fio com a esperança

na ponta da língua e agora, se o desamparo é absoluto, compreende-se

que foi um veneno mortal porque de tão procurada os garimpeiros,

descrentes, caem exaustos, não pronunciando sequer o seu nome.

Continuamos. A porca deita-se e mostra as suas tetas.