Diário de um Ladrão

Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza…
A um morto nada se recusa,
Eu quero por força ir de burro.
— Mário de Sá-Carneiro