Diário de um Ladrão

O chumbo é a paródia do ouro. O ar é a paródia da água. O cérebro
é a paródia do equador. O coito é a paródia do crime.
— George Bataille

Baralho ***

 

No Verão de 1868, no seu isolamento asceta em Paris, vindo do périplo atlântico até Montevideo, Isidore Ducasse confia a impressão do 1ª Canto dos seus Cantos de Maldoror à casa Balitout, Questroy et Cie. Endereça este texto a uma série de críticos e escritores, entre os quais, Victor Hugo, mas a pequena maravilha de trinta páginas passa despercebida. A autor assinar com três ***, singular apresentação anónima de um sonho infindável, convertido por fórmulas novas que a literatura e a arte nunca tinham visto até então.

144 anos depois, nada é diferente do que lá vemos, e ficou inesperadamente gravado na pedra. A construção linguística, a lógica e a retórica, as imagens e o verbo, tudo é incompleto e estranho como um homem se transformar em porco ou acordar cheio de piolhos. Tudo é ridículo perante toda a inofensiva maldade.

Restou-nos discorrer despreocupadamente o sistema aberto por Ducasse. Até ao abismo, ainda nos falta muito jogo, sempre na escola da contradição, belo como um instante do falso.

////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

O baralho tem 54 cartas, impresso a 2 cores, formato português. É composto por desenhos originalmente feitos em formato A4. A tiragem foi de 300 exemplares.
Está à venda na Galeria Dama Aflita, no Porto, e na Livraria Sá da Costa, em Lisboa, ou através de encomenda postal.
Se preferir, pode imprimir directamente em papel e levar para o seu banco de jardim preferido.

Descarregar Baralho ***

 

 

 

 

Posted on 23/11/2012