Diário de um Ladrão

E, quando reflicto sumariamente nestes tenebrosos mistérios, pelos quais um ser humano desaparece da Terra, tão facilmente como uma mosca ou uma libélula, sem conservar a esperança de um regresso, surpreendo-me a incubar o vivo desgosto de provavelmente não poder viver o tempo suficiente para vos explicar bem o que eu próprio não tenho a pretensão de conseguir compreender. — Conde de Lautréamont

Particula – Hugo Carvalhais

Só fiz o que me foi pedido.
Um pequeno exemplo da obliteração do sentido na simbiose entre forma e conteúdo.(Obrigado Alexandre Melo)

“Aquele que não viu um navio afundar-se no meio do furacão, da intermitência dos relâmpagos e da mais profunda obscuridade,
enquanto os que nele se encontram são oprimidos pelo desespero que sabeis, esse não conhece os acidentes da vida.”

 

O Hugo toca assim.

Posted on 1/4/2012